Publicidade

A Nasa revelou que o Telescópio Espacial Hubble descobriu mais de 200 gigantescos aglomerados estelares no coração da galáxia Arp 220.

Os aglomerados são os pontos branco-azulados espalhados que estão espalhados na imagem abaixo:

gigantescos aglomerados estelares na galáxia Arp 220
Foto: NASA

Segundo a Nasa, o aglomerado Arp 220 mais pesado – cerca de 10 milhões de massas solares – é duas vezes mais massivo que qualquer aglomerado estelar comparável na Via Láctea. Arp 220 colidiu com outra galáxia cerca de 700 milhões de anos atrás, alimentando o frenesi do nascimento de estrelas em uma pequena região com cerca de 5.000 anos-luz de diâmetro. A galáxia é um exemplo próximo das consequências de duas galáxias em colisão.

No entanto, os aglomerados são tão compactos que, mesmo a uma distância moderada, parecem ao Hubble estrelas individuais brilhantes. Os astrônomos sabem que os aglomerados não são estrelas porque são muito mais brilhantes do que uma estrela seria a essa distância, a 250 milhões de anos-luz de distância na constelação de Serpens.

Os aglomerados massivos vistos nesta imagem de luz visível são apenas a ponta do iceberg. Mais aglomerados de estrelas não são visíveis porque estão obscurecidos pela poeira que engole esta galáxia.

De fato, grande parte da luz visível nesta foto é avermelhada pela poeira, como o céu da Terra ao pôr do sol. Por causa dessa poeira, a Arp 220 brilha mais intensamente na luz infravermelha e é chamada de galáxia infravermelha ultraluminosa (ULIRG). ULIRGs são produtos de fusões entre galáxias, que podem criar tempestades de fogo de nascimento de estrelas. A luz das novas estrelas aquece a poeira circundante, fazendo com que as galáxias brilhem brilhantemente na luz infravermelha.

As observações da Câmera Avançada foram feitas em luz visível em agosto de 2002.

fonte.

Compartilhar.

Olá! Meu nome é Beatriz Chiessi e sou formada em Gestão Empresarial. Fã da Aggretsuko, apaixonada pelos filmes do Studio Ghibli, Simmer assumida e astronauta do Astroneer.